Zoel Garcia Siqueira
Zoel Garcia Siqueira

Tenho a felicidade de ter recebido do meu pai o gosto pela leitura. Além disso, recebo dele, frequentemente, livros ruins, bons e ótimos. Recentemente, dele ganhei o ótimo ‘Por que as nações fracassam. As origens do poder, da prosperidade e da pobreza’.

É um ‘best-seller’ de dois economistas norte-americanos, Daron Acemoglu e James Robinson, ambos professores universitários. Com base na história econômica mundial, eles explicam, de maneira bastante didática, os motivos de algumas nações progredirem economicamente e outras, não.

Dentre os principais fatores, os economistas explicam que os países que adotaram instituições econômicas e políticas visando o crescimento uniforme da sociedade conseguiram se desenvolver, ao contrário dos que beneficiam um pequeno grupo.

Isso comprova que a economia e a política devem ser usadas para melhorar a vida da maioria da sociedade e não de uma única classe, a elite. Os autores citam vários exemplos de povos que, na antiguidade, eram grandes impérios.

Lembram que alguns, ao adotar políticas que visavam o crescimento de um pequeno grupo, deixaram de ser um grandes. Mas os que primaram por políticas visando o crescimento com maior distribuição de renda se tornaram países ricos.

Como exemplo, os autores citam os impérios asteca, inca e maia, que, colonizados pela Espanha e seu objetivo de enriquecer apenas Madri, hoje não mais são grandes, ao contrário do norte da América, onde Estados Unidos e Canadá têm melhores condições de vida.
O livro voltou meu pensamento para o Brasil atual, que teve, pela primeira vez na história, um momento de crescimento para a grande parte da população.

Mas a elite se movimentou e está acabando com as políticas sociais para os desfavorecidos.

Junto com o capital estrangeiro, essa elite atrasada impôs uma política que visa o retorno do que sempre aconteceu em nosso país e que fará com que nunca nos tornemos uma nação rica. Isso porque a riqueza sempre estará nas mãos da elite.

Zoel Garcia Siqueira é professor, formado em sociologia e diretor financeiro do Sindserv (Sindicato dos Servidores Municipais do Guarujá)



 

Tenho a felicidade de ter recebido do meu pai o gosto pela leitura. Além disso, recebo dele, frequentemente, livros ruins, bons e ótimos. Recentemente, dele ganhei o ótimo ‘Por que as nações fracassam. As origens do poder, da prosperidade e da pobreza’.

É um ‘best-seller’ de dois economistas norte-americanos, Daron Acemoglu e James Robinson, ambos professores universitários. Com base na história econômica mundial, eles explicam, de maneira bastante didática, os motivos de algumas nações progredirem economicamente e outras, não.

Dentre os principais fatores, os economistas explicam que os países que adotaram instituições econômicas e políticas visando o crescimento uniforme da sociedade conseguiram se desenvolver, ao contrário dos que beneficiam um pequeno grupo.

Isso comprova que a economia e a política devem ser usadas para melhorar a vida da maioria da sociedade e não de uma única classe, a elite. Os autores citam vários exemplos de povos que, na antiguidade, eram grandes impérios.

Lembram que alguns, ao adotar políticas que visavam o crescimento de um pequeno grupo, deixaram de ser um grandes. Mas os que primaram por políticas visando o crescimento com maior distribuição de renda se tornaram países ricos.

Como exemplo, os autores citam os impérios asteca, inca e maia, que, colonizados pela Espanha e seu objetivo de enriquecer apenas Madri, hoje não mais são grandes, ao contrário do norte da América, onde Estados Unidos e Canadá têm melhores condições de vida.
O livro voltou meu pensamento para o Brasil atual, que teve, pela primeira vez na história, um momento de crescimento para a grande parte da população.

Mas a elite se movimentou e está acabando com as políticas sociais para os desfavorecidos.

Junto com o capital estrangeiro, essa elite atrasada impôs uma política que visa o retorno do que sempre aconteceu em nosso país e que fará com que nunca nos tornemos uma nação rica. Isso porque a riqueza sempre estará nas mãos da elite.

Zoel Garcia Siqueira é professor, formado em sociologia e diretor financeiro do Sindserv (Sindicato dos Servidores Municipais do Guarujá)