MEC vai abrir inscrições para 130 mil vagas em novo sistema de seleção para alunos que não conseguiram média para as universidades federais

O governo abre na terça-feira as inscrições para o Sistema de Seleção Unificada para o Ensino Técnico (SisuTec), com mais de 130 mil vagas para cursos profissionalizantes no País. Esse número ainda não está totalmente definido - depende da adesão das instituições da área -, mas a primeira leva deve superar as vagas ofertadas pelas universidades federais no último processo do Sistema de Seleção Unificada (Sisu).


O sistema, uma cópia do Sisu das universidades federais, vai centralizar as vagas de ensino profissionalizante para quem já terminou o ensino médio e vai também usar os resultados do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

A intenção do governo é ampliar o acesso dos jovens ao ensino profissionalizante, permitindo que, da mesma forma que nas universidades federais, os estudantes possam escolher as vagas que lhe interessam mesmo fora da sua cidade. Também como no Sisu original, as instituições terão de aderir ao sistema.

O governo conta com a adesão dos Institutos Tecnológicos Federais, das escolas do Sistema S e também espera que as escolas técnicas das redes estaduais façam parte do sistema, mas essa é uma negociação que ainda não avançou. De acordo com o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, o governo conseguiu uma "ampliação significativa" nas vagas oferecidas, mas o número só será finalizado na abertura das inscrições.

O SisuTec terá como público preferencial os estudantes que terminaram o ensino médio e fizeram o Enem, mas não têm média na prova boa o suficiente para conseguir uma das vagas nas universidades, seja nas federais, seja nas privadas por meio do Programa Universidade para Todos.

A nota de corte para a inscrição no ProUni, por exemplo, são 450 pontos. Mas, com os cursos cada vez mais concorridos, dificilmente um estudante consegue uma boa vaga com notas mais baixas. Apesar de os cursos técnicos e tecnológicos também serem bastante concorridos, alguns tanto quanto algumas faculdades, o grau de exigência para admissão costuma ser menor.

Sistema. Em três anos, o Sisu - plataforma digital criada em 2010 para preencher vagas em instituições públicas de ensino superior - já teve adesão de 80% das 59 universidades federais do País. O Sisu usa como critério de seleção o desempenho do Enem. No início de cada semestre, o site do "vestibular nacional" pode ser consultado pelo estudante interessado em mais de 3 mil cursos. A candidatura é feita de forma online em duas opções de curso em qualquer instituição.

O Estado de S.Paulo
 


 

O governo abre na terça-feira as inscrições para o Sistema de Seleção Unificada para o Ensino Técnico (SisuTec), com mais de 130 mil vagas para cursos profissionalizantes no País. Esse número ainda não está totalmente definido - depende da adesão das instituições da área -, mas a primeira leva deve superar as vagas ofertadas pelas universidades federais no último processo do Sistema de Seleção Unificada (Sisu).


O sistema, uma cópia do Sisu das universidades federais, vai centralizar as vagas de ensino profissionalizante para quem já terminou o ensino médio e vai também usar os resultados do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

A intenção do governo é ampliar o acesso dos jovens ao ensino profissionalizante, permitindo que, da mesma forma que nas universidades federais, os estudantes possam escolher as vagas que lhe interessam mesmo fora da sua cidade. Também como no Sisu original, as instituições terão de aderir ao sistema.

O governo conta com a adesão dos Institutos Tecnológicos Federais, das escolas do Sistema S e também espera que as escolas técnicas das redes estaduais façam parte do sistema, mas essa é uma negociação que ainda não avançou. De acordo com o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, o governo conseguiu uma "ampliação significativa" nas vagas oferecidas, mas o número só será finalizado na abertura das inscrições.

O SisuTec terá como público preferencial os estudantes que terminaram o ensino médio e fizeram o Enem, mas não têm média na prova boa o suficiente para conseguir uma das vagas nas universidades, seja nas federais, seja nas privadas por meio do Programa Universidade para Todos.

A nota de corte para a inscrição no ProUni, por exemplo, são 450 pontos. Mas, com os cursos cada vez mais concorridos, dificilmente um estudante consegue uma boa vaga com notas mais baixas. Apesar de os cursos técnicos e tecnológicos também serem bastante concorridos, alguns tanto quanto algumas faculdades, o grau de exigência para admissão costuma ser menor.

Sistema. Em três anos, o Sisu - plataforma digital criada em 2010 para preencher vagas em instituições públicas de ensino superior - já teve adesão de 80% das 59 universidades federais do País. O Sisu usa como critério de seleção o desempenho do Enem. No início de cada semestre, o site do "vestibular nacional" pode ser consultado pelo estudante interessado em mais de 3 mil cursos. A candidatura é feita de forma online em duas opções de curso em qualquer instituição.

O Estado de S.Paulo