Realizado na última sexta-feira (2), a ação que paralisou durante algumas horas da manhã as atividades do Auto Posto Sul, no centro de Fortaleza-CE, foi organizado pelo Sinpospetro-CE com o apoio de Luiz Arraes, secretário de negociações coletivas da Federação Nacional dos frentistas (Fenepospetro) e presidente da Federação dos Frentistas de São Paulo ( Fepospetro).
Frentistas do CECrédito: Sindicato

Além  de reclamar definição  às  Negociações Coletivas, sob impasse desde novembro de 2017,   o protesto foi uma   resposta do sindicato à  decisão da  empresa, dona de oito postos na cidade,  de  abolir a partir do mês  janeiro deste ano o fornecimento dos  benefícios  cesta básica,  seguro de vida e  vale-refeição cujos valores vão de R$ 10,00 a  R$17,00 por dia trabalhado.  Além disso, de  acordo com  Ardillis,  presidente do Sinpospetro-CE, os proprietários da rede “ Auto Posto Sul”, estariam na dianteira de um movimento junto patronal  Sindipostos, para que, na esteira das  brechas ilegais trazidas pela Lei  da Reforma Trabalhista, seja incorporada oficialmente  pela entidade a decisão de  não validar na  Convenção Coletiva  a permanência destes  direitos, há anos na   categoria do Ceará, Estado onde atuam aproximadamente  oito mil trabalhadores  

Alcance:  Repercutiram amplamente nas redes sociais dos sindicatos da categoria de todo o país os  vídeos e as  imagens do ato, feitas com aparelhos de  celular  pela equipe do Sinpospetro-CE e pelos  trabalhadores presentes . Nelas, é possível  conferir a postura de adesão  dos  frentistas à  manifestação  e também o momento em que Ardillis e Luiz Arraes  reagem à atitude do  filho do dono do posto, Mário Greiich de Farias Junior, de arrancar do local  faixas e cartazes que acusavam   demais  ilegalidades da empresa,  como   assédio moral praticado  contra uma funcionária grávida e  descontos ilícitos aplicados   sobre os  salários cuja média é de R$ 986,00 acrescidos de 30% de adicional de periculosidade.
 .

Reunião: Encerrado por volta do meio dia, após a chegada  da  polícia e de outros empresários do ramo, o ato resultou na convocação, pelo Tribunal Regional do Trabalho da 7° região  de  uma audiência entre o sindicato e a rede Auto Posto Sul , na próxima terça-feira (6), às 10 horas.  “A possibilidade de greve não está descartada e outras ações serão levadas adiante caso os patrões insistam em desrespeitar os trabalhadores e a entidade que  os representa, afirmou Ardillis Souza.  

Fenepospetro:  Em apoio ao ato, o presidente da Federação Nacional dos Frentistas de do Sinpospetro do Rio de Janeiro, Eusébio Luiz Pinto Neto, declarou que " contra o  avanço constante das medidas antitrabalhador são essenciais atitude e determinação, assim como união".

 

Frentistas do CECrédito: Sindicato

Além  de reclamar definição  às  Negociações Coletivas, sob impasse desde novembro de 2017,   o protesto foi uma   resposta do sindicato à  decisão da  empresa, dona de oito postos na cidade,  de  abolir a partir do mês  janeiro deste ano o fornecimento dos  benefícios  cesta básica,  seguro de vida e  vale-refeição cujos valores vão de R$ 10,00 a  R$17,00 por dia trabalhado.  Além disso, de  acordo com  Ardillis,  presidente do Sinpospetro-CE, os proprietários da rede “ Auto Posto Sul”, estariam na dianteira de um movimento junto patronal  Sindipostos, para que, na esteira das  brechas ilegais trazidas pela Lei  da Reforma Trabalhista, seja incorporada oficialmente  pela entidade a decisão de  não validar na  Convenção Coletiva  a permanência destes  direitos, há anos na   categoria do Ceará, Estado onde atuam aproximadamente  oito mil trabalhadores  

Alcance:  Repercutiram amplamente nas redes sociais dos sindicatos da categoria de todo o país os  vídeos e as  imagens do ato, feitas com aparelhos de  celular  pela equipe do Sinpospetro-CE e pelos  trabalhadores presentes . Nelas, é possível  conferir a postura de adesão  dos  frentistas à  manifestação  e também o momento em que Ardillis e Luiz Arraes  reagem à atitude do  filho do dono do posto, Mário Greiich de Farias Junior, de arrancar do local  faixas e cartazes que acusavam   demais  ilegalidades da empresa,  como   assédio moral praticado  contra uma funcionária grávida e  descontos ilícitos aplicados   sobre os  salários cuja média é de R$ 986,00 acrescidos de 30% de adicional de periculosidade.
 .

Reunião: Encerrado por volta do meio dia, após a chegada  da  polícia e de outros empresários do ramo, o ato resultou na convocação, pelo Tribunal Regional do Trabalho da 7° região  de  uma audiência entre o sindicato e a rede Auto Posto Sul , na próxima terça-feira (6), às 10 horas.  “A possibilidade de greve não está descartada e outras ações serão levadas adiante caso os patrões insistam em desrespeitar os trabalhadores e a entidade que  os representa, afirmou Ardillis Souza.  

Fenepospetro:  Em apoio ao ato, o presidente da Federação Nacional dos Frentistas de do Sinpospetro do Rio de Janeiro, Eusébio Luiz Pinto Neto, declarou que " contra o  avanço constante das medidas antitrabalhador são essenciais atitude e determinação, assim como união".