Alicleia de Aquino da Silvafuncionária da empresa Convaço, é a quinta vítima fatal da explosão da Coqueria 2 da Siderúrgica Gerdau, ocorrida em 15 de agosto. A soldadora, de 34 anos, estava em estado de coma no Hospital Evangélico, em Belo Horizonte, desde o dia do acidente. Ela ficou internada por 56 dias e não resistiu aos ferimentos causados no momento da explosão.
Foto reprodução TV GloboCrédito: Força Sindical-MG

A morte da metalúrgica, em 8 de outubro, eleva para 10 o número de trabalhadores mortos na planta da usina nos últimos 12 meses.

No dia do acidente, uma equipe da Gerdau, juntamente com equipes das empresas Convaço e Oil Trend, realizava uma manutenção na tubulação de gás da Coqueria 2. Às 10h45, houve uma explosão e consequentemente colapso de parte da estrutura, de aproximadamente 60 metros quadrados, que provocou a morte imediata de duas pessoas. Outras 10 pessoas foram encaminhadas para hospitais de Ouro Branco e de Belo Horizonte.

As vítimas foram identificadas como Fernando Alves Peixoto, de 40 anos, e Cristiano Rodrigo Marcelino, de 35. Em 3 de agosto, o prestador de serviços da empresa Oil Trade, Sandro Barbosa Gomes, de 38 anos, morreu e, em 10 de setembro, Levindo Costa Carvalho, de 60 anos, morador de Ouro Branco, também teve a morte constatada.

Em 2016, ocorrências na usina em novembro e em dezembro provocaram cinco mortes. A Polícia Civil confirmou que investiga os casos. Porém, as apurações seguem em segredo de Justiça.
 

Foto reprodução TV GloboCrédito: Força Sindical-MG

A morte da metalúrgica, em 8 de outubro, eleva para 10 o número de trabalhadores mortos na planta da usina nos últimos 12 meses.

No dia do acidente, uma equipe da Gerdau, juntamente com equipes das empresas Convaço e Oil Trend, realizava uma manutenção na tubulação de gás da Coqueria 2. Às 10h45, houve uma explosão e consequentemente colapso de parte da estrutura, de aproximadamente 60 metros quadrados, que provocou a morte imediata de duas pessoas. Outras 10 pessoas foram encaminhadas para hospitais de Ouro Branco e de Belo Horizonte.

As vítimas foram identificadas como Fernando Alves Peixoto, de 40 anos, e Cristiano Rodrigo Marcelino, de 35. Em 3 de agosto, o prestador de serviços da empresa Oil Trade, Sandro Barbosa Gomes, de 38 anos, morreu e, em 10 de setembro, Levindo Costa Carvalho, de 60 anos, morador de Ouro Branco, também teve a morte constatada.

Em 2016, ocorrências na usina em novembro e em dezembro provocaram cinco mortes. A Polícia Civil confirmou que investiga os casos. Porém, as apurações seguem em segredo de Justiça.