“Esperei quase 17 anos pela justiça, que chega agora depois de um inquérito longo e rigoroso”, afirmou Paulinho da Força.
Deca - PaulinhoCrédito: Jaélcio Santana

Nesta terça-feira, 19 de dezembro de 2017, foi publicada decisão do Exmo. Ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal,  (STF) determinando o arquivamento do Inquérito 2905. Tratava-se de ação aberta em 2010, a partir de investigação iniciada em 2001, que cumpriu uma série de diligências para apuração de suposto ilícito do qual era acusado o deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força (Solidariedade-SP).

O caso remetia à aquisição da Fazenda Poço das Três Antas, localizada no município de Itararé (SP), em que a central Força Sindical atuou no treinamento das famílias assentadas no referido imóvel, em programa realizado pelo Banco do Povo.

Cumprida a instrução do inquérito, não se verificou nenhuma ilegalidade na conduta do deputado. Dessa maneira, visto que não há como se imputar, na esfera penal, responsabilidade a Paulo Pereira da Silva por eventuais irregularidades ou desvios decorrentes da aquisição do imóvel, o Exmo. Ministro Relator Luiz Fux acatou o parecer ministerial, determinando o arquivamento do processo.

Após a decisão o parlamentar afirmou que depois de um inquérito longo e rigoroso a justiça foi feita.”Fiquei muito feliz com o resultado, que repõe a verdade”, disse Paulinho nesta tarde.

Deca - PaulinhoCrédito: Jaélcio Santana

Nesta terça-feira, 19 de dezembro de 2017, foi publicada decisão do Exmo. Ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal,  (STF) determinando o arquivamento do Inquérito 2905. Tratava-se de ação aberta em 2010, a partir de investigação iniciada em 2001, que cumpriu uma série de diligências para apuração de suposto ilícito do qual era acusado o deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força (Solidariedade-SP).

O caso remetia à aquisição da Fazenda Poço das Três Antas, localizada no município de Itararé (SP), em que a central Força Sindical atuou no treinamento das famílias assentadas no referido imóvel, em programa realizado pelo Banco do Povo.

Cumprida a instrução do inquérito, não se verificou nenhuma ilegalidade na conduta do deputado. Dessa maneira, visto que não há como se imputar, na esfera penal, responsabilidade a Paulo Pereira da Silva por eventuais irregularidades ou desvios decorrentes da aquisição do imóvel, o Exmo. Ministro Relator Luiz Fux acatou o parecer ministerial, determinando o arquivamento do processo.

Após a decisão o parlamentar afirmou que depois de um inquérito longo e rigoroso a justiça foi feita.”Fiquei muito feliz com o resultado, que repõe a verdade”, disse Paulinho nesta tarde.