Exclusão online dos mais jovens exacerba diferenças e reduz possibilidade de participação em uma 'economia cada vez mais digital', concluiu um relatório divulgado pela entidade.
internetCrédito: Arquivo

Um relatório do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) divulgado neste domingo (10) mostra que cerca de um terço dos jovens de até 18 anos em todo o mundo – o equivalente a 346 milhões de pessoas – não tem acesso à internet.

O documento "Situação Mundial da Infância 2017: Crianças e adolescentes em um mundo digital" conclui que a exclusão online dos mais jovens "exacerba as iniquidades" e reduz a capacidade de crianças e adolescentes de participar de uma "economia cada vez mais digital".

Por outro lado, o relatório aponta que os jovens compõem o grupo etário mais conectado do planeta, com 71% do público com acesso à internet, contra apenas 48% da população total do mundo.

Segundo a Unicef, as desigualdades regionais chamam a atenção. Enquanto a juventude africana é a menos conectada, com cerca de três em cada cinco jovens offline, apenas um em cada 25 jovens na Europa está na mesma situação.

A língua é outra barreira ao acesso digital, mostra o relatório. Cerca de 56% de todos os websites estão em inglês. Para a Unicef, isso faz com que muitos meninos e meninas não consigam "encontrar conteúdo que eles entendam ou que seja culturalmente relevante".

O relatório também aponta preocupação com os conteúdos de abuso sexual infantil. De acordo com a entidade, mais de 90% dos sites desta natureza estão hospedados em cinco países: Canadá, Estados Unidos, França, Holanda e Rússia.

"A internet foi concebida para adultos, mas é cada vez mais usada por crianças, adolescentes e jovens – e a tecnologia digital afeta cada vez mais a vida e o futuro deles. Sendo assim, as políticas, práticas e produtos digitais devem refletir melhor as necessidades, as perspectivas e as vozes das crianças e dos adolescentes", afirma no relatório o diretor executivo do Unicef, Anthony Lake.

Para corrigir estes problemas, a entidade divulgou uma série de recomendações para a criação de políticas e práticas comerciais em benefício dos mais jovens. Entre elas, o documento diz que é preciso salvaguardar a privacidade e a identidade das crianças e dos adolescentes online.

Outra medida é capacitar digitalmente a juventude para mantê-la informada, engajada e segura na internet, recomenda a Unicef.

 

internetCrédito: Arquivo

Um relatório do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) divulgado neste domingo (10) mostra que cerca de um terço dos jovens de até 18 anos em todo o mundo – o equivalente a 346 milhões de pessoas – não tem acesso à internet.

O documento "Situação Mundial da Infância 2017: Crianças e adolescentes em um mundo digital" conclui que a exclusão online dos mais jovens "exacerba as iniquidades" e reduz a capacidade de crianças e adolescentes de participar de uma "economia cada vez mais digital".

Por outro lado, o relatório aponta que os jovens compõem o grupo etário mais conectado do planeta, com 71% do público com acesso à internet, contra apenas 48% da população total do mundo.

Segundo a Unicef, as desigualdades regionais chamam a atenção. Enquanto a juventude africana é a menos conectada, com cerca de três em cada cinco jovens offline, apenas um em cada 25 jovens na Europa está na mesma situação.

A língua é outra barreira ao acesso digital, mostra o relatório. Cerca de 56% de todos os websites estão em inglês. Para a Unicef, isso faz com que muitos meninos e meninas não consigam "encontrar conteúdo que eles entendam ou que seja culturalmente relevante".

O relatório também aponta preocupação com os conteúdos de abuso sexual infantil. De acordo com a entidade, mais de 90% dos sites desta natureza estão hospedados em cinco países: Canadá, Estados Unidos, França, Holanda e Rússia.

"A internet foi concebida para adultos, mas é cada vez mais usada por crianças, adolescentes e jovens – e a tecnologia digital afeta cada vez mais a vida e o futuro deles. Sendo assim, as políticas, práticas e produtos digitais devem refletir melhor as necessidades, as perspectivas e as vozes das crianças e dos adolescentes", afirma no relatório o diretor executivo do Unicef, Anthony Lake.

Para corrigir estes problemas, a entidade divulgou uma série de recomendações para a criação de políticas e práticas comerciais em benefício dos mais jovens. Entre elas, o documento diz que é preciso salvaguardar a privacidade e a identidade das crianças e dos adolescentes online.

Outra medida é capacitar digitalmente a juventude para mantê-la informada, engajada e segura na internet, recomenda a Unicef.