artigo / opinião
secretarias
Portadores de Deficiência
qua, 16 de abr/2014
jornal da força
Edição nº 89 seg, 24 de mar/2014
agenda

abril - 2014

D
S
T
Q
Q
S
S
 
 
01020304
05
06
07080910
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
2526
27
28
29
30
 
 
 
Notícias da Força
Compartilhe esta notícia com seus contatos das Redes Sociais
qua, 06 de abr/2011
FONTE: Assessoria de imprensa da Força Sindical RS

Porto Alegre (RS): Reajuste de 11,6% do piso regional é aprovado e passa a valer retroativo a março

O índice de 11,6% de reajuste do salário mínimo regional foi aprovado ontem por unanimidade pelos 44 deputados estaduais presentes na sessão plenária da ALRS.

O reajuste passa a valer retroativo ao mês de março.

O diretor da Força Sindical-RS, Luis Carlos Barbosa, acompanhou a votação na Assembleia, junto com demais sindicalistas de outras centrais, que realizaram a campanha unificada pela valorização e recuperação do piso regional. A Força Sindical-RS participa como protagonista na luta por melhores salários para os trabalhadores gaúchos desde a criação do piso, em 2001, buscando a recuperação do índice em relação ao salário mínimo nacional.

O presidente da Força Sindical-RS, Clàudio Janta, afirma que o índice aprovado se aproximou do reivindicando pelos trabalhadores, sendo um avanço e não uma grande vitória, mas falta uma política de valorização do piso. O presidente da central cobra uma política permanente do salário. Outra questão necessária é a recomposição das faixas salariais do piso.

"Esperamos que o governo, através do Conselho de Desenvolvimento Social e Econômico - o Conselhão - resolva esses problemas ou que a Assembleia crie uma comissao especial para tratar a questão de política do piso e o aumento de faixa", argumenta Janta.

Barbosa destaca a importância do piso para a distribuição de renda e aquecimento do mercado.

"O piso regional é um instrumento de distribuição de renda e aquecimento do mercado interno. O RS está crescendo e, apesar da estiagem, terá uma safra recorde", diz Barbosa.

Outro sinal do momento positivo da economia gaúcha, segundo aponta o diretor da  Força Sindical-RS, é que o número de cheques sem fundo e as falências no Estado caíram. Além disso, a geração de empresas está crescendo.

"A produtividade no Estado também cresceu. Embora os 11,6% não significam o que  trabalhador precisa, marcam o início do diálogo com o governo e a Assembleia", afirma Barbosa. E completa: "É a reaproximação do Executivo com os movimentos sociais".

Conforme Barbosa, as vozes de oposição ao piso regional são as mesmas que previram a quebra das empresas quando da criação do índice, o que não se confirmou. E são as mesmas que previram a fuga de empregos quando foi aprovada a redução de jornada de 48 para 44 horas semanais.

"É uma vitória dos trabalhadores a aprovação e vamos continuar lutando por melhores condições", diz Barbosa.

Dados do Dieese apontam que o piso regional promove o desenvolvimento socioeconômico do Estado. Por isso, deve ser visto como parte do projeto de desenvolvimento regional, visando a melhoria da distribuição de renda, combate a desigualdade salarial e efetivo estímulo econômico, através de efeitos multiplicadores de renda.

O piso regional contempla as categorias de trabalhadores mais vulneráveis, com menor poder de barganha, aqueles que não possuem piso salarial definido em Lei Federal, convenção coletiva  ou acordo coletivo. A abrangência potencial do piso regional pode ser estimada em cerca de 1,135 milhões de trabalhadores no RS. 

Dentre os benefícios diretos do piso, estão o efetivo estímulo econômico; conversão imediata em consumo de bens de salário e serviços; impacto positivo sobre o nível de atividade econômica regional através de efeitos multiplicadores da renda, decorrentes do aumento de consumo; criação de postos de trabalho; proteção das categorias de trabalhadores com menor poder de barganha; desestímulo a rotatividade; estímulo à negociação das categorias que estão abaixo do piso; referência para a negociação coletiva dos pisos salariais e reajustes; e referência para determinação dos salários dos trabalhadores sem carteira assinada

Confira os novos valores das quatro faixas salariais:

- R$ 610,00 para os trabalhadores na agricultura e na pecuária; nas indústrias extrativas; em empresas de capturação do pescado (pesqueira); empregados domésticos; em turismo e hospitalidade; nas indústrias da construção civil; nas indústrias de instrumentos musicais e de brinquedos; em estabelecimentos hípicos; e empregados motociclistas no transporte de documentos e de pequenos volumes – “motoboy”.

- R$ 624,05 para os trabalhadores nas indústrias do vestuário e do calçado; nas indústrias de fiação e de tecelagem; nas indústrias de artefatos de couro; nas indústrias do papel, papelão e cortiça; em empresas distribuidoras e vendedoras de jornais e revistas e empregados em bancas, vendedores ambulantes de jornais e revistas; empregados da administração das empresas proprietárias de jornais e revistas; empregados em estabelecimentos de serviços de saúde; empregados em serviços de asseio, conservação e limpeza; e empregados em empresas de telecomunicação, “telemarketing”, “call-centers”, operadoras de “voip” (voz sobre identificação e protocolo), TV a cabo e similares.

- R$ 638,20 para os trabalhadores nas indústrias do mobiliário; nas indústrias químicas e farmacêuticas; nas indústrias cinematográficas; nas indústrias da alimentação; empregados no comércio em geral; e empregados de agentes autônomos do comércio.

- R$ 663,40 para os trabalhadores nas indústrias metalúrgicas, mecânicas e de material elétrico; nas indústrias gráficas; nas indústrias de vidros, cristais, espelhos, cerâmica de louça e porcelana; nas indústrias de artefatos de borracha; em empresas de seguros privados e capitalização e de agentes autônomos de seguros privados e de crédito; em edifícios e condomínios residenciais, comerciais e similares; nas indústrias de joalheria e lapidação de pedras preciosas; auxiliares em administração escolar (empregados de estabelecimentos de ensino); empregados em entidades culturais, recreativas, de assistência social, de orientação e formação profissional; e marinheiros fluviais de convés, marinheiros fluviais de máquinas, cozinheiros fluviais, taifeiros fluviais, empregados em escritórios de agências de navegação, empregados em terminais de contêineres e mestres e encarregados em estaleiros.

nenhum comentário enviado
faça seu comentário
600
conteúdo relacionado
palavra do presidente
Miguel Torres, presidente da Força Sindical
cultura
filmes relacionados ao mundo do trabalho

Dica de Filme: 24 Horas (24: Live Another Day)

Três frases resumem os 192 episódios, ou as 192 horas mais difíceis na vida de Jack Bauer: “Essa era nossa única pista”, “Milhares de vidas estão em jogo” e, sobretudo “Preciso fazer o que tem que ser feito”. Leia mais ...
imagens
2014-04-15 00:00:00
charges

Rua Rocha Pombo, 94
Liberdade / SP - Brasil
CEP 01525-010

pabx
55 11 3348.9000

força mail

Para receber novidades, cadastre-se aqui: