artigo / opinião
secretarias
Criança e Adolescente
qui, 24 de abr/2014
Portadores de Deficiência
ter, 22 de abr/2014
jornal da força
Edição nº 89 seg, 24 de mar/2014
agenda

abril - 2014

D
S
T
Q
Q
S
S
 
 
01020304
05
06
07080910
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
2526
27
28
29
30
 
 
 
Notícias da Imprensa
Compartilhe esta notícia com seus contatos das Redes Sociais
qua, 20 de jul/2011
FONTE: Jornal do Brasil

Brasília (DF): Dieese: nível de emprego é bom, mas salários estão baixos

Agência Brasil

A criação de postos de trabalho e a redução do desemprego não são mais os maiores desafios do mercado de trabalho brasileiro, segundo o economista do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), Sérgio Mendonça. Na opinião dele, o País precisa, agora, priorizar melhorias na qualidade dos empregos já existentes e nos salários pagos.

Segundo Mendonça, a taxa de desemprego recorde divulgada nesta terça-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e o número de vagas criadas no país segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) mostram que o mercado de trabalho no Brasil está aquecido. Apesar disso, disse ele, a remuneração dos trabalhadores ainda é baixa. "Somos um País que, historicamente, tem salários baixos", disse Mendonça à Agência Brasil. "Precisamos melhorar a qualidade dos nossos empregos e o valor dos salários pagos aos trabalhadores para alcançarmos um desenvolvimento social ainda maior."

Segundo Mendonça, 90% dos postos de trabalho criados no Brasil atualmente são formais. Contudo, essas vagas pagam até dois salários mínimos aos trabalhadores (R$ 1.090,00). "Comparado com o salário de outros países, é pouco", complementou o economista. Para melhorar a remuneração dos trabalhadores, Mendonça disse que é fundamental que o País desenvolva setores econômicos que, tradicionalmente, remuneram bem. Entre esses setores, o economista destaca a indústria, o setor financeiro e o de saúde.

Ele disse também que é preciso que o País invista na formação de seus trabalhadores para que as vagas de bons salários possam ser preenchidas. "Ainda temos um problema de formação básica. Precisamos investir na educação", disse Mendonça.

Sobre as perspectivas do mercado de trabalho para os próximos meses, a análise do economista é positiva. Ele afirmou que, no segundo semestre, a geração de vagas geralmente é maior que no primeiro semestre. Ele ressaltou, porém que os resultados consolidados do mercado em 2011 não devem ser tão bons quanto os alcançados no ano passado. "O emprego cresce no segundo semestre. Isso é sazonal", disse Mendonça. "Agora, o desaquecimento da economia como um todo pode fazer com que o crescimento das vagas não seja tão grande quanto o do final do ano passado.

"Em 2010, o Brasil criou mais de 2,5 milhões de vagas de trabalho. No primeiro semestre deste ano, segundo o Caged, já foram criados 1,41 milhão de empregos.

nenhum comentário enviado
faça seu comentário
600
conteúdo relacionado
palavra do presidente
Miguel Torres, presidente da Força Sindical
cultura
filmes relacionados ao mundo do trabalho

Dica de Filme: 24 Horas (24: Live Another Day)

Três frases resumem os 192 episódios, ou as 192 horas mais difíceis na vida de Jack Bauer: “Essa era nossa única pista”, “Milhares de vidas estão em jogo” e, sobretudo “Preciso fazer o que tem que ser feito”. Leia mais ...
imagens
2014-04-15 00:00:00
charges

Rua Rocha Pombo, 94
Liberdade / SP - Brasil
CEP 01525-010

pabx
55 11 3348.9000

força mail

Para receber novidades, cadastre-se aqui: