O pronunciamento foi feito durante a primeira reunião do Comitê Executivo da ADS, que reuniu os dirigentes em Bogotá para debater a situação das américas.
“Se agrava dívida social da América Latina”, adverte Alternativa Democrática Sindical (ADS)Crédito: Arquivo Força RS

A alternativa Democrática Sindical expressou sua preocupação pela deliciada situação social, econômica e política dos trabalhadores do continente americano e pela proliferação de governos populistas que estão contribuindo com o agravamento das condições dos países da região.

O pronunciamento foi feito durante a primeira reunião do Comitê Executivo da ADS, que reuniu os dirigentes em Bogotá para debater a situação das américas.

Os dirigentes sindicais ressaltaram que a dívida social com os trabalhadores vem crescendo de maneira preocupante, motivada por fenômenos como a corrupção, desemprego, pobreza extrema, especialmente em países onde está enraizado regimes totalitários que se caracterizam pela violação dos direitos humanos.

O Comitê reuniu o teor dos assuntos debatidos em documento assinado pelo Presidente Julio Roberto Gómez Esguerra e Secretário-geral, Nilton Neco.

Neco é Secretário de Relações Internacionais da Força Sindical Brasil e Presidente do Sindicato dos Empregados no Comércio de Porto Alegre.

Confira o documento na íntegra

Clique aqui

 

“Se agrava dívida social da América Latina”, adverte Alternativa Democrática Sindical (ADS)Crédito: Arquivo Força RS

A alternativa Democrática Sindical expressou sua preocupação pela deliciada situação social, econômica e política dos trabalhadores do continente americano e pela proliferação de governos populistas que estão contribuindo com o agravamento das condições dos países da região.

O pronunciamento foi feito durante a primeira reunião do Comitê Executivo da ADS, que reuniu os dirigentes em Bogotá para debater a situação das américas.

Os dirigentes sindicais ressaltaram que a dívida social com os trabalhadores vem crescendo de maneira preocupante, motivada por fenômenos como a corrupção, desemprego, pobreza extrema, especialmente em países onde está enraizado regimes totalitários que se caracterizam pela violação dos direitos humanos.

O Comitê reuniu o teor dos assuntos debatidos em documento assinado pelo Presidente Julio Roberto Gómez Esguerra e Secretário-geral, Nilton Neco.

Neco é Secretário de Relações Internacionais da Força Sindical Brasil e Presidente do Sindicato dos Empregados no Comércio de Porto Alegre.

Confira o documento na íntegra

Clique aqui