Manifestação em Brasília, dia 26, expõe a fome, pressiona Parlamento e exige auxílio de R$ 600 para 70 milhões de brasileiros
Marcha BrasíliaCrédito: Arquivo
Mobilização terá as presenças e falas dos presidentes nacionais das centrais sindicais e das lideranças dos movimentos sociais, além de parlamentares
Pandemia, falta vacina, emprego, o povo brasileiro está passando fome e a redução do valor e do alcance do auxílio emergencial é um crime cometido pelo governo. Por isso, na quarta-feira (26), a partir das 10h, as Centrais Sindicais e os Movimentos Sociais, de forma unitária, farão ato presencial em Brasília, em frente ao Congresso Nacional. Presencial e nacional, porém sem aglomeração e sob todos os protocolos sanitários para evitar contágio e propagação do Coronavírus, em respeito à vida, à ciência e às famílias de quase meio milhão de pessoas que morreram na em consequência do Covid-19 e do negacionismo e incompetência do governo federal. 
 
#600ContraFome
#600ContraFome
CUT, Força Sindical, UGT, CTB, Nova Central, CSB, Intersindical, Pública, CSP-Conlutas, CGTB, CONTAG, MST e Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo organizaram o ato 26M em defesa do auxílio emergencial de R$ 600,00, contra a fome e a carestia, por vacina no braço e comida no prato. Também ratearam o custo das doações de três toneladas de alimentos agroecológicos a trabalhadores cooperativados. A mobilização terá as presenças e falas dos presidentes nacionais das centrais sindicais e das lideranças dos movimentos sociais, além de parlamentares. Todos falarão do alto de um caminhão de som, voltados ao Parlamento. 
 
Miguel Torres, presidente da Força Sindical destaca a importância da luta pelo auxilio emergencial de 600 reais, para combater a fome da população que mais necessita neste momento de crise sanitária e econômica que o País atravessa em razão da Covid-19. "Milhões de brasileiros e brasileiras estão passando fome, sem emprego, renda e moradias dignas, e precisam urgente do auxílio de R$ 600. Deixá-los nesta situação de carestia é um crime, tanto quanto o genocídio das quase 500 mil pessoas por covid no Brasil causado pelo negacionismo e pela incompetência do governo federal".
 
miguel torresCrédito: Arquivo
"O auxílio emergencial de R$ 600 mensais foi pago a mais de 68 milhões de brasileiros em 2020, garantindo-lhes segurança alimentar e renda para a compra de produtos essenciais e ajudando a economia do País", lembra Miguel Torres, presidente da Força Sindical
O ato, que será integralmente transmitido, ao vivo, para todo o Brasil, via redes sociais e Youtube dos organizadores, marcará o lançamento e a entrega a lideranças partidárias no Congresso Nacional da primeira Agenda Legislativa das Centrais Sindicais. Os sindicalistas também solicitaram audiência com os presidentes Arthur Lira (Câmara dos Deputados) e Rodrigo Pacheco (Senado) aos quais entregarão o documento. 
 
Feita em conjunto com o DIAP, a Agenda é uma forma de resistência e atuação propositiva junto ao Congresso Nacional, que traz o posicionamento e faz propostas do movimento sindical a 23 projetos em tramitação na Câmara dos Deputados e Senado. Esses projetos afetam diretamente a vida e os direitos da classe trabalhadora, como a reforma administrativa, privatizações, auxílio emergencial, geração de emprego e renda.
 
ATO COMEÇA NA COLHEITA
Ao final do ato, serão doados alimentos cultivados sem agrotóxicos pela agricultura familiar em áreas da CONTAG (Confederação Nacional dos Trabalhadores Rurais e Agricultores Familiares) e assentamentos do MST. 
 
Serão mais de 600 cestas com, ao mínimo, 16 itens colhidos na véspera (terça, 25) do ato e transportados em quatro caminhões até a frente do Congresso Nacional, onde serão expostos simbolicamente no gramado, em forma de mosaico. Serão doados a 600 catadores da CENTCOOP (Cooperativa de Catadores de Materiais Recicláveis) do DF, na cidade estrutural, periferia do Distrito Federal.
 
30 MILHÕES SEM AUXÍLIO
Em 2020, o auxílio emergencial foi de R$ 600, chegando até 1,2 mil para mães chefes de família com filho menor de 18 anos. Neste ano, por decisão do governo federal, esse valor vai de R$ 150 a R$ 375, no máximo. No ano passado, 68 milhões de brasileiros tinham direito ao auxílio por conta da pandemia.
 
Neste ano, esse número, segundo o Dieese, baixou para 38,6 milhões de beneficiados. Em consequência das novas regras impostas pelo governo federal, quase 30 milhões de brasileiros passaram a viver em insegurança alimentar.
 
Hoje, o Brasil tem 14,5 milhões de famílias vivendo em extrema pobreza registradas no CadÚnico (Cadastro Único do governo federal), ou seja 40 milhões de pessoas, o maior número desde 2012, quando o cadastro foi criado.
 
Os R$ 600,00 garantiam a segurança alimentar e a roda da economia girando, em 2020, quando a cesta básica nas maiores capitais do país superava o valor de R$ 500,00. Neste ano, subiu e custa R$ 600,00, enquanto o auxílio, para milhões, baixou a menos de um terço do valor do ano passado. 
 
COMO SERÁ 
PROGRAMAÇÃO DO ATO 26M (sujeita a alterações)
TAG #600ContraFome
 
  • 7h  Chegada dos caminhões com as cestas do MST e da CONTAG no estacionamento da Rodoferroviária de Basília
  • 7h30 Os caminhões partem para a Esplanada dos Ministério, atravessando todo Eixo monumental, pela faixa mais à esquerda
  • 8h – CENÁRIO MONTADO
    Chegada dos caminhões com as cestas verdes na Esplanada
  • 9h  passagem pela tenda de protocolo sanitário
  • 10h início das falas, com d parlamentares
  • 10H30 início das falas dos organizadores (Centrais, MST, Contag, Frentes)
  • 11H30 – FIM DAS FALAS (NO CAMINHÃO)
  • 11h30 em diante – entrega da Agenda Legislativa da Classe Trabalhadora
VISUAL - Durante o ato, em frente ao caminhão de som, serão colocados três carrinhos de compras (aqueles de supermercado) com produtos possíveis de comprar com o auxílio emergencial (R$ 600 reais e R$ 1,2 mil), de 2020, e com o valor médio atual, R$ 250,00. Faixas com o mote do ato - Vacina no Braço/Comida no Prato; Pelo auxílio de R$600 - também estarão dispostas no gramado.
PROTOCOLO - Ao lado do caminhão de som, haverá barraca para reforçar o respeito aos protocolos sanitários: distribuição e orientação ao uso de máscaras, medição de temperatura, instruções para manter distanciamento etc.
Marcha BrasíliaCrédito: Arquivo
Mobilização terá as presenças e falas dos presidentes nacionais das centrais sindicais e das lideranças dos movimentos sociais, além de parlamentares
Pandemia, falta vacina, emprego, o povo brasileiro está passando fome e a redução do valor e do alcance do auxílio emergencial é um crime cometido pelo governo. Por isso, na quarta-feira (26), a partir das 10h, as Centrais Sindicais e os Movimentos Sociais, de forma unitária, farão ato presencial em Brasília, em frente ao Congresso Nacional. Presencial e nacional, porém sem aglomeração e sob todos os protocolos sanitários para evitar contágio e propagação do Coronavírus, em respeito à vida, à ciência e às famílias de quase meio milhão de pessoas que morreram na em consequência do Covid-19 e do negacionismo e incompetência do governo federal. 
 
#600ContraFome
#600ContraFome
CUT, Força Sindical, UGT, CTB, Nova Central, CSB, Intersindical, Pública, CSP-Conlutas, CGTB, CONTAG, MST e Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo organizaram o ato 26M em defesa do auxílio emergencial de R$ 600,00, contra a fome e a carestia, por vacina no braço e comida no prato. Também ratearam o custo das doações de três toneladas de alimentos agroecológicos a trabalhadores cooperativados. A mobilização terá as presenças e falas dos presidentes nacionais das centrais sindicais e das lideranças dos movimentos sociais, além de parlamentares. Todos falarão do alto de um caminhão de som, voltados ao Parlamento. 
 
Miguel Torres, presidente da Força Sindical destaca a importância da luta pelo auxilio emergencial de 600 reais, para combater a fome da população que mais necessita neste momento de crise sanitária e econômica que o País atravessa em razão da Covid-19. "Milhões de brasileiros e brasileiras estão passando fome, sem emprego, renda e moradias dignas, e precisam urgente do auxílio de R$ 600. Deixá-los nesta situação de carestia é um crime, tanto quanto o genocídio das quase 500 mil pessoas por covid no Brasil causado pelo negacionismo e pela incompetência do governo federal".
 
miguel torresCrédito: Arquivo
"O auxílio emergencial de R$ 600 mensais foi pago a mais de 68 milhões de brasileiros em 2020, garantindo-lhes segurança alimentar e renda para a compra de produtos essenciais e ajudando a economia do País", lembra Miguel Torres, presidente da Força Sindical
O ato, que será integralmente transmitido, ao vivo, para todo o Brasil, via redes sociais e Youtube dos organizadores, marcará o lançamento e a entrega a lideranças partidárias no Congresso Nacional da primeira Agenda Legislativa das Centrais Sindicais. Os sindicalistas também solicitaram audiência com os presidentes Arthur Lira (Câmara dos Deputados) e Rodrigo Pacheco (Senado) aos quais entregarão o documento. 
 
Feita em conjunto com o DIAP, a Agenda é uma forma de resistência e atuação propositiva junto ao Congresso Nacional, que traz o posicionamento e faz propostas do movimento sindical a 23 projetos em tramitação na Câmara dos Deputados e Senado. Esses projetos afetam diretamente a vida e os direitos da classe trabalhadora, como a reforma administrativa, privatizações, auxílio emergencial, geração de emprego e renda.
 
ATO COMEÇA NA COLHEITA
Ao final do ato, serão doados alimentos cultivados sem agrotóxicos pela agricultura familiar em áreas da CONTAG (Confederação Nacional dos Trabalhadores Rurais e Agricultores Familiares) e assentamentos do MST. 
 
Serão mais de 600 cestas com, ao mínimo, 16 itens colhidos na véspera (terça, 25) do ato e transportados em quatro caminhões até a frente do Congresso Nacional, onde serão expostos simbolicamente no gramado, em forma de mosaico. Serão doados a 600 catadores da CENTCOOP (Cooperativa de Catadores de Materiais Recicláveis) do DF, na cidade estrutural, periferia do Distrito Federal.
 
30 MILHÕES SEM AUXÍLIO
Em 2020, o auxílio emergencial foi de R$ 600, chegando até 1,2 mil para mães chefes de família com filho menor de 18 anos. Neste ano, por decisão do governo federal, esse valor vai de R$ 150 a R$ 375, no máximo. No ano passado, 68 milhões de brasileiros tinham direito ao auxílio por conta da pandemia.
 
Neste ano, esse número, segundo o Dieese, baixou para 38,6 milhões de beneficiados. Em consequência das novas regras impostas pelo governo federal, quase 30 milhões de brasileiros passaram a viver em insegurança alimentar.
 
Hoje, o Brasil tem 14,5 milhões de famílias vivendo em extrema pobreza registradas no CadÚnico (Cadastro Único do governo federal), ou seja 40 milhões de pessoas, o maior número desde 2012, quando o cadastro foi criado.
 
Os R$ 600,00 garantiam a segurança alimentar e a roda da economia girando, em 2020, quando a cesta básica nas maiores capitais do país superava o valor de R$ 500,00. Neste ano, subiu e custa R$ 600,00, enquanto o auxílio, para milhões, baixou a menos de um terço do valor do ano passado. 
 
COMO SERÁ 
PROGRAMAÇÃO DO ATO 26M (sujeita a alterações)
TAG #600ContraFome
 
  • 7h  Chegada dos caminhões com as cestas do MST e da CONTAG no estacionamento da Rodoferroviária de Basília
  • 7h30 Os caminhões partem para a Esplanada dos Ministério, atravessando todo Eixo monumental, pela faixa mais à esquerda
  • 8h – CENÁRIO MONTADO
    Chegada dos caminhões com as cestas verdes na Esplanada
  • 9h  passagem pela tenda de protocolo sanitário
  • 10h início das falas, com d parlamentares
  • 10H30 início das falas dos organizadores (Centrais, MST, Contag, Frentes)
  • 11H30 – FIM DAS FALAS (NO CAMINHÃO)
  • 11h30 em diante – entrega da Agenda Legislativa da Classe Trabalhadora
VISUAL - Durante o ato, em frente ao caminhão de som, serão colocados três carrinhos de compras (aqueles de supermercado) com produtos possíveis de comprar com o auxílio emergencial (R$ 600 reais e R$ 1,2 mil), de 2020, e com o valor médio atual, R$ 250,00. Faixas com o mote do ato - Vacina no Braço/Comida no Prato; Pelo auxílio de R$600 - também estarão dispostas no gramado.
PROTOCOLO - Ao lado do caminhão de som, haverá barraca para reforçar o respeito aos protocolos sanitários: distribuição e orientação ao uso de máscaras, medição de temperatura, instruções para manter distanciamento etc.