105974691_121665326249887_4148202340503252851_n
#BrasilpelaDemocracia | #BrasilpelaVida
Alcione e Marcelo D2 cantarão juntos. Elza Soares e Renegado, também. Felipe Neto e Patrícia Campos Mello irão de prosa. Samuel Rosa e Djamila Ribeiro, de prosa e música. Lideranças de torcidas organizadas adversárias estarão juntas, em um bate-papo. Representantes da OAB, Centrais Sindicais, ABI, Ethos, MST e mais de 70 entidades, organizações e movimentos sociais vão dar
a letra em três jograis. Terá todo tipo de som, de Lulu Santos a Odair José. Terá a palavra de quem cresceu na luta, como Preto Zezé ou se engajou nela pelo esporte, como Joanna Maranhão.
 
Todos vão falar sobre democracia e vida, assunto que pulsa hoje nesse país que enterrou mais de 120 mil homens e mulheres vítimas de COVID-19, em cinco meses de pandemia; que tem 55 milhões de pessoas vivendo abaixo da linha da pobreza (com R$ 406/mês), 13 milhões de desempregados e 5,7 milhões de desalentados.
 
A live a Democracia Vive!, no domingo,13 de setembro,  vida #BrasilpelaDemocracia | #BrasilpelaVida será feita à base de solidariedade e diversidade, de música, debate e informação. Organizada em palco virtual, é mais uma ação da campanha Brasil pela Democracia,
uma ampla rede da sociedade civil unida na defesa da democracia - ameaçada por incessantes ataques às instituições e aos princípios e valores da convivência democrática - e da vida - em risco pela irresponsabilidade e ineficiência no combate ao coronavírus.
 
A proposta da live Democracia Vive! é falar a toda a população sobre por que e como a democracia brasileira está em risco. Expor que desigualdade, desemprego, racismo, machismo, homofobia, desmatamento, fake news, violência, ataque às instituições formam o caldo que ameaça a democracia brasileira.
 
Lançada em 29 de junho por 80 entidades e movimentos, a Campanha Brasil pela Democracia tem coordenado ações virtuais e offline em todo o País. Em 13 de setembro, pensadores, artistas, pesquisadores, gente do povo e suas histórias se somarão aos demais atores
que participaram de ações anteriores, como a Virada da Democracia, realizada em julho.
 
105974691_121665326249887_4148202340503252851_n
#BrasilpelaDemocracia | #BrasilpelaVida
Alcione e Marcelo D2 cantarão juntos. Elza Soares e Renegado, também. Felipe Neto e Patrícia Campos Mello irão de prosa. Samuel Rosa e Djamila Ribeiro, de prosa e música. Lideranças de torcidas organizadas adversárias estarão juntas, em um bate-papo. Representantes da OAB, Centrais Sindicais, ABI, Ethos, MST e mais de 70 entidades, organizações e movimentos sociais vão dar
a letra em três jograis. Terá todo tipo de som, de Lulu Santos a Odair José. Terá a palavra de quem cresceu na luta, como Preto Zezé ou se engajou nela pelo esporte, como Joanna Maranhão.
 
Todos vão falar sobre democracia e vida, assunto que pulsa hoje nesse país que enterrou mais de 120 mil homens e mulheres vítimas de COVID-19, em cinco meses de pandemia; que tem 55 milhões de pessoas vivendo abaixo da linha da pobreza (com R$ 406/mês), 13 milhões de desempregados e 5,7 milhões de desalentados.
 
A live a Democracia Vive!, no domingo,13 de setembro,  vida #BrasilpelaDemocracia | #BrasilpelaVida será feita à base de solidariedade e diversidade, de música, debate e informação. Organizada em palco virtual, é mais uma ação da campanha Brasil pela Democracia,
uma ampla rede da sociedade civil unida na defesa da democracia - ameaçada por incessantes ataques às instituições e aos princípios e valores da convivência democrática - e da vida - em risco pela irresponsabilidade e ineficiência no combate ao coronavírus.
 
A proposta da live Democracia Vive! é falar a toda a população sobre por que e como a democracia brasileira está em risco. Expor que desigualdade, desemprego, racismo, machismo, homofobia, desmatamento, fake news, violência, ataque às instituições formam o caldo que ameaça a democracia brasileira.
 
Lançada em 29 de junho por 80 entidades e movimentos, a Campanha Brasil pela Democracia tem coordenado ações virtuais e offline em todo o País. Em 13 de setembro, pensadores, artistas, pesquisadores, gente do povo e suas histórias se somarão aos demais atores
que participaram de ações anteriores, como a Virada da Democracia, realizada em julho.