A diretoria do Sindicato dos Metalúrgicos do Sul Fluminense, presidido por Silvio Campos, foi surpreendida com um boletim, divulgando uma proposta de votação de um acordo coletivo, que estaria sendo intermediado pelo próprio sindicato
Silvio Campos, presidente do Sindicato
Silvio Campos, presidente do Sindicato
A onda de fake news (notícias falsas) chegou ao meio metalúrgico. O Sindicato da categoria teve que desmentir, por meio de boletim veiculado na quarta-feira (dia 6), um informativo que apresentava uma proposta de negociação coletiva com a empresa.
 
“A diretoria do Sindicato dos Metalúrgicos foi surpreendida com um boletim, divulgando uma proposta de votação de um acordo coletivo, que estaria sendo intermediado pelo próprio sindicato. Lamentavelmente, o sindicato tem que vir a público, se reportar aos trabalhadores para desmentir que esteja havendo qualquer votação e sequer negociação sobre acordo coletivo de trabalho”, diz trecho do informativo oficial da entidade.
 
A notícia falsa de uma negociação causou agitação entre os metalúrgicos por apresentar altos valores de bonificação pelo acordo coletivo, no valor de R$ 10 mil. Além disso, o boletim apócrifo garante o fim do cartão alimentação e da bonificação de férias no percentual de 70%, sendo que a empresa passaria a pagar 33,3%, como determina a lei.
 
Outras duas propostas também apresentam números de bonificação e a alteração de outras cláusulas vigentes atualmente. “O acordo vigente tem validade de dois anos, portanto, só terá vencimento em abril de 2022, conforme votação realizada e aprovada pelos trabalhadores. É importante esclarecer aos metalúrgicos que é fundamental que todos só acreditem nas notícias publicadas através dos órgãos oficiais de informação da sua entidade”, esclarece o informativo.
 
Segundo a diretoria do Sindicato, não se sabe a autoria do material e qual a intenção dos que publicação as fake news, por isso, é importante que os trabalhadores tenham muito cuidado e, caso se deparem com mais um boletim ‘fake’, denunciem ao sindicato.
 
“Vamos todos ficar em alerta com a maledicência de alguns poucos, que, simplesmente, não têm o que fazer e querem perturbar a nossa vida e trazer prejuízo a nossa luta, que não está fácil, por melhores salários e condições de trabalho. E, como presidente, reafirmo que no momento não há nenhuma negociação com a CSN sobre acordo coletivo. A nossa campanha salarial geralmente inicia em fevereiro com a pesquisa de pauta de reivindicação junto aos trabalhadores. Na próxima campanha, vamos juntos lutar para recuperar as perdas por conta da pandemia”, explicou Silvio Campos, presidente do SindMetal.
Silvio Campos, presidente do Sindicato
Silvio Campos, presidente do Sindicato
A onda de fake news (notícias falsas) chegou ao meio metalúrgico. O Sindicato da categoria teve que desmentir, por meio de boletim veiculado na quarta-feira (dia 6), um informativo que apresentava uma proposta de negociação coletiva com a empresa.
 
“A diretoria do Sindicato dos Metalúrgicos foi surpreendida com um boletim, divulgando uma proposta de votação de um acordo coletivo, que estaria sendo intermediado pelo próprio sindicato. Lamentavelmente, o sindicato tem que vir a público, se reportar aos trabalhadores para desmentir que esteja havendo qualquer votação e sequer negociação sobre acordo coletivo de trabalho”, diz trecho do informativo oficial da entidade.
 
A notícia falsa de uma negociação causou agitação entre os metalúrgicos por apresentar altos valores de bonificação pelo acordo coletivo, no valor de R$ 10 mil. Além disso, o boletim apócrifo garante o fim do cartão alimentação e da bonificação de férias no percentual de 70%, sendo que a empresa passaria a pagar 33,3%, como determina a lei.
 
Outras duas propostas também apresentam números de bonificação e a alteração de outras cláusulas vigentes atualmente. “O acordo vigente tem validade de dois anos, portanto, só terá vencimento em abril de 2022, conforme votação realizada e aprovada pelos trabalhadores. É importante esclarecer aos metalúrgicos que é fundamental que todos só acreditem nas notícias publicadas através dos órgãos oficiais de informação da sua entidade”, esclarece o informativo.
 
Segundo a diretoria do Sindicato, não se sabe a autoria do material e qual a intenção dos que publicação as fake news, por isso, é importante que os trabalhadores tenham muito cuidado e, caso se deparem com mais um boletim ‘fake’, denunciem ao sindicato.
 
“Vamos todos ficar em alerta com a maledicência de alguns poucos, que, simplesmente, não têm o que fazer e querem perturbar a nossa vida e trazer prejuízo a nossa luta, que não está fácil, por melhores salários e condições de trabalho. E, como presidente, reafirmo que no momento não há nenhuma negociação com a CSN sobre acordo coletivo. A nossa campanha salarial geralmente inicia em fevereiro com a pesquisa de pauta de reivindicação junto aos trabalhadores. Na próxima campanha, vamos juntos lutar para recuperar as perdas por conta da pandemia”, explicou Silvio Campos, presidente do SindMetal.