Em reunião com o governador do Paraná, Ratinho Junior, dirigentes da Força Sindicalsugeriram a ajuda que seria um complemento do auxílio emergencial nacional, o que daria condições para comerciantes e trabalhadores se manterem em isolamento. Veja o vídeo:
A Força Sindical do Paraná se reuniu, na tarde da última terça-feira (30), com o governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD),  para debater o combate a pandemia do Covid-19 no estado e formas de conter a disseminação do vírus  que assola o país. O presidente da Central Sindical, Sérgio Butka, propôs a implantação de um auxilio emergencial estadual  como uma forma de complemento ao auxílio nacional. 
 
“Junto com o auxílio emergencial nacional, a implantação de um auxílio estadual daria mais condições para os pequenos comerciantes e trabalhadores  de enfrentarem as dificuldades advindas da pandemia, como também motivariam o isolamento diminuindo a circulação de pessoas. É preciso que os governos não meçam esforços nesse sentido e deem condições para que as pessoas sem mantenham em casa”, disse Butka. 
 
Além do auxílio emergencial, também foi discutido a criação do grupo de trabalho tripartite que envolverá  representantes dos trabalhadores, do empresariado e do governo, de modo a estabelecer estratégias de combate ao coronavírus;  e a prioridade da vacinação em trabalhadores do transporte público e dos trabalhadores do setor produtivo considerados essenciais, conforme decreto do governo; e um plano para a criação\manutenção de empregos.
 
O governador acolheu todas as propostas e disse que estudará um forma de implementação do auxílio. Falou que o governo está empenhando em vencer a pandemia e que conta com a participação das Centrais nesta luta. Participou também da reunião o secretário estadual da Justiça, Família e Trabalho, Ney Leprevost, e o vice presidente do Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba, Nelson Silva de Souza (Nelsão).
A Força Sindical do Paraná se reuniu, na tarde da última terça-feira (30), com o governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD),  para debater o combate a pandemia do Covid-19 no estado e formas de conter a disseminação do vírus  que assola o país. O presidente da Central Sindical, Sérgio Butka, propôs a implantação de um auxilio emergencial estadual  como uma forma de complemento ao auxílio nacional. 
 
“Junto com o auxílio emergencial nacional, a implantação de um auxílio estadual daria mais condições para os pequenos comerciantes e trabalhadores  de enfrentarem as dificuldades advindas da pandemia, como também motivariam o isolamento diminuindo a circulação de pessoas. É preciso que os governos não meçam esforços nesse sentido e deem condições para que as pessoas sem mantenham em casa”, disse Butka. 
 
Além do auxílio emergencial, também foi discutido a criação do grupo de trabalho tripartite que envolverá  representantes dos trabalhadores, do empresariado e do governo, de modo a estabelecer estratégias de combate ao coronavírus;  e a prioridade da vacinação em trabalhadores do transporte público e dos trabalhadores do setor produtivo considerados essenciais, conforme decreto do governo; e um plano para a criação\manutenção de empregos.
 
O governador acolheu todas as propostas e disse que estudará um forma de implementação do auxílio. Falou que o governo está empenhando em vencer a pandemia e que conta com a participação das Centrais nesta luta. Participou também da reunião o secretário estadual da Justiça, Família e Trabalho, Ney Leprevost, e o vice presidente do Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba, Nelson Silva de Souza (Nelsão).